Marinha da Argentina diz que submarino desaparecido estava em boas condições

© REUTERS / Marcos BrindicciDesenho do submarino argentino ARA San Juan na bandeira nacional da Argentina
Desenho do submarino argentino ARA San Juan na bandeira nacional da Argentina - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Marinha da Argentina insistiu neste sábado (25) que o submarino desaparecido ARA San Juan estava em boas condições quando iniciou sua missão, apesar dos temores levantados pela possível explosão que atingiu a embarcação de 44 tripulantes.

As esperanças para os sobreviventes diminuem cada vez mais. Já são 10 dias de desaparecimento — período de tempo suficiente para acabar o suprimento de oxigênio do submarino de acordo com especialistas, ainda que ele esteja intacto.

Há um esforço multinacional de busca e resgate em andamento. Apesar das condições climáticas adversas, um navio norueguês está transportando um módulo de resgate submarino dos EUA que irá fazer buscas.

Submarino ARA San Juan en el Apostadero Naval de Buenos Aires, durante una jornada de puertas abiertas en mayo de 2017 por el día de la Armada Argentina. - Sputnik Brasil
Submarino argentino San Juan teria sido atingido por uma mina naval, diz analista
O ARA San Juan foi construído na Alemanha e partiu em 8 de novembro do porto de Ushuaia a caminho de Mar del Plata.

"Dois dias antes de navegar, houve uma verificação de todo o sistema operacional", disse o porta-voz da Marinha, Enrique Balbi, em coletiva de imprensa. "O submarino não navega se isso não for feito. Se partiu de Ushuaia, era porque estava na condição de fazê-lo".

Balbi disse que o capitão informou em 15 de novembro que havia um problema elétrico em um compartimento da bateria. Mas ele depois comunicou por telefone via satélite que o problema havia sido resolvido e que continuaria a viagem submersa em direção a Mar del Plata.

Desde então, não houve contato com o San Juan, e nenhum sinal da embarcação ou detritos, apesar de uma busca intensiva.

Mas também foi no dia 15 de novembro que tanto a Marinha dos Estados Unidos como a agência internacional de monitoramento da proibição de testes nucleares detectaram o que parecia ser uma explosão submarina na área onde o submarino estava em operação.

Os familiares da tripulação, que aguardam por informações em Mar del Plata, afirmam que a embarcação de 33 anos estava em mau estado de conservação.

"Nós nos sentimos apoiados pelas pessoas", disse Zulma de Vallejos, mãe do membro da equipe Celso Oscar Vallejos. "Eu sei que meu filho vai voltar. Eu sei que ele vai voltar vivo. A última palavra não foi falada".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала