Centro russo na Sérvia esconde algo que preocupa muitíssimo EUA

© Foto / mchs.gov.ru Centro Humanitário Russo-Sérvio na cidade de Nis
Centro Humanitário Russo-Sérvio na cidade de Nis - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Senado norte-americano está muito preocupado com o Centro Humanitário Russo-Sérvio na cidade sérvia de Nis, também conhecido como "centro especial de espionagem" pelo conselheiro adjunto do secretário de Estado norte-americano para a Europa e Eurásia, Hoyt Brian Yee.

Neste contexto, o vice-primeiro-ministro russo, Dmitry Rogozin, explica em entrevista à Sputnik Sérvia o que teria provocado tais preocupações nos norte-americanos.

"Sim, além de dois gatos, há alguns cachorros que latem tão ruidosamente que podem ser ouvidos mesmo em Kosovo. Além disso, há quatro funcionários russos que estão próximos de se aposentar. Tudo isso representa enorme ameaça para a segurança nacional dos EUA", declarou.

Entretanto, em entrevista à Sputnik Sérvia, o vice-primeiro-ministro russo explicou por que o centro foi criado:

Apresentação do sistema aéreo MiG-35 no distrito de Moscou - Sputnik Brasil
Rússia vai fornecer caças MiG e aviões de transporte à Sérvia
"Tratou-se de uma iniciativa russo-sérvia a fim de aplicar experiência e avanços tecnológicos na criação de um centro perto da Europa Meridional, para que, em caso de emergência, a ajuda pudesse ser prestada da Sérvia, e não da Rússia. Além disso, guerras eram conduzidas nos Bálcãs [nos anos 90], por isso foi preciso criar um centro que fosse capaz de neutralizar minas. Mas, atualmente, há apenas um comitê administrativo, três cachorros e quatro veteranos."

© AP Photo / Darko VojinovicArmazém do Centro Humanitário Russo-Sérvio na cidade de Nis
Armazém do Centro Humanitário Russo-Sérvio na cidade de Nis - Sputnik Brasil
Armazém do Centro Humanitário Russo-Sérvio na cidade de Nis

Caça russo MiG-29 - Sputnik Brasil
Rússia acelera modernização da Força Aérea sérvia
No entanto, o ministro destacou que "atualmente não é possível chamá-lo de 'centro'", pois ele não possui "uma esquadrilha de aviões capazes de combater incêndios, ou outras forças, meios ou tecnologias. Mas, [EUA] se preocupam com isso. Têm medo de tudo. Por isso, repito que os sérvios não precisam de S-300 [complexo de defesa antiaérea], podem apenas construir modelos semelhantes de madeira e [EUA] vão morrer de medo. Eles atacam somente os fracos. Já está na hora de encerrar esse assunto, registrar o centro, bem como receber imunidade diplomática para os funcionários, dada a todos os funcionários de todos os centros internacionais na Sérvia. Na realidade, esse centro é importante não para nós, e sim para as pessoas que são vítimas de incêndios e que pedem ajuda."

Em 14 de junho, o conselheiro adjunto do secretário de Estado norte-americano para a Europa e Eurásia, Hoyt Brian Yee expressou preocupações em meio ao Centro Humanitário russo-sérvio, localizado em Nis, Sérvia.

Ele explicou que suas preocupações estariam ligadas ao possível recebimento de "imunidade e estatuto diplomáticos", destacando que Sérvia deve exercer controle total sobre seu território.

O Centro Humanitário Russo-Sérvio foi estabelecido na cidade sérvia de Nis em abril de 2012. O centro presta ajuda humanitária em situações de emergência na Sérvia e em outros países dos Bálcãs. Ao mesmo tempo, serve de base para treinar grupos de emergência.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала