- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Minicérebros criados em laboratório paulista permitirão novas terapias para o autismo

© Marcos Santos/USP Imagens / Abrir o banco de imagensPatrícia Cristina Baleeiro Beltrão Braga, professora de Biologia Molecular da USP,
Patrícia Cristina Baleeiro Beltrão Braga, professora de Biologia Molecular da USP, - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Pesquisadores do Brasil, tendo à frente uma professora de Biologia Molecular da USP, Patrícia Beltrão Braga, trabalham no desenvolvimento de novas terapias do autismo. Neste mês foi inaugurada na USP a startup de biotecnologia Tismoo, parceria entre a Professora Patrícia Beltrão e o biólogo molecular Alysson Muotri, da Universidade da Califórnia.

Um gato furioso. - Sputnik Brasil
Ciência anormal: Pesquisadores descobrem possível cura de câncer em excremento de gato
Em entrevista à Sputnik Brasil, a Professora Patrícia Beltrão Braga explica como o trabalho vem sendo desenvolvido:

"Recebemos material doado de pacientes de autismo, e o passo inicial é fazer a análise genética detalhada de cada indivíduo ou família, para que possamos detectar a mutação que causou o autismo. O passo seguinte é mapear os tratamentos possíveis depois de analisar a mudança nos genes. Por fim, chegamos à técnica dos minicérebros. Dispondo do mapa genético do paciente, é feita uma reprogramação celular por meio de células-tronco e são criados minicérebros com a genética da pessoa autista. Esses minicérebros são pequenas estruturas de neurônios que recriam, em determinada medida, o funcionamento do cérebro."

Ainda de acordo com Patrícia Beltrão, a técnica de elaboração dos minicérebros foi desenvolvida pelo pesquisador alemão Jurgen Knoblich, e o pioneiro da tecnologia da reprogramação celular é o japonês Shinya Yamanaka.

Patrícia Beltrão conta ainda que fármacos utilizados no tratamento de outras doenças de origem neurológica e psiquiátrica também estão sendo avaliados como igualmente passíveis de utilização no tratamento dos pacientes de autismo.

"Mas se trata de pesquisas de longo prazo, que demandarão algum tempo de comprovação e eficácia até que estejam cientificamente determinadas como aptas para o tratamento de pessoas autistas."

O autismo é descrito como um distúrbio neurológico caracterizado por comprometimento da interação social, comunicação verbal e não verbal, e ainda por comportamento restrito e repetitivo. Segundo os cientistas, o autismo tem características predominantemente genéticas. Fatores ambientais também podem contribuir para a manifestação deste distúrbio. Entidades científicas mundiais que se dedicam ao estudo e à pesquisa do autismo informam que o distúrbio acomete uma a duas pessoas em cada grupo de mil. O distúrbio registra maior incidência em meninos do que em meninas. Ainda de acordo com estas instituições, os primeiros sinais de autismo costumam ser demonstrados aos dois anos de vida.  

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала