- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Cientista político comenta inclusão de Temer e Aécio na delação de Sérgio Machado

ENTREVISTA COM ANTONIO MARCELO JACKSON 2 DE 16-06-16
Nos siga noTelegram
Lista com nomes de graduados políticos de 25 partidos, revelada pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, abala ainda mais o conturbado cenário nacional. O Professor Antônio Marcelo Jackson fala da inclusão de Michel Temer e de Aécio Neves na relação.

As revelações do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, em sua delação premiada continuam provocando intensa repercussão na sociedade e, em especial, no mundo político do país. Até o início desta semana, conheciam-se apenas pequenas partes das revelações de Machado, boa parte delas divulgadas por ele mesmo, a partir das gravações que efetuou com diversos políticos, entre os quais os Senadores José Sarney, Renan Calheiros e Romero Jucá.

Michel Temer comenta delações de Sérgio Machado - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Temer chama de levianas as acusações do ex-presidente da Transpetro

Na quarta-feira, 15, tornaram-se públicas extensas revelações do que Sérgio Machado disse aos investigadores e aos procuradores da Operação Lava Jato. A partir daí, vieram a público as denúncias do ex-senador de que 25 políticos de vários partidos – PT, PSDB, PP, DEM, PCdoB e PMDB – beneficiaram-se de dinheiro de origem ilícita como contribuições para suas campanhas eleitorais.

Entre os políticos citados por Sérgio Machado estão o presidente interino Michel Temer e o presidente nacional do PSDB, Senador Aécio Neves, concorrente de Dilma Rousseff na campanha presidencial de 2014. Sobre Temer recaíram acusações de que ele teria solicitado contribuições para a campanha de Gabriel Chalita à Prefeitura de São Paulo, na eleição municipal de 2012. Já Aécio Neves foi citado como tendo recorrido àquele expediente quando tentava obter votos entre os parlamentares ao disputar a Presidência da Câmara dos Deputados.

“Mais do que a delação de Sérgio Machado, o que nos interessa é perceber que os nomes de Michel Temer, de Aécio Neves e de vários outros chamados caciques do PMDB e do próprio PSDB estarem de fato nos locais e nas horas indicadas por Sérgio Machado”, comenta o cientista político Antônio Marcelo Jackson, da Universidade Federal de Ouro Preto. “Ou seja, não se trata, agora, de mais uma delação vazia, mas de algo que é crível, dá para acreditar. É uma coisa bastante grave.”

Denúncias de propina tiram Henrique Eduardo Alves do Ministério do Turismo - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Cai o terceiro ministro de Temer: Henrique Alves pede demissão após delação

O Professor Jackson, para quem a corrupção de políticos no Brasil se tornou endêmica, remontando a muitos anos, desde o início da história do país, pensa ainda que, “quando vem uma denúncia dessas onde se teria o então vice-presidente da República procurando financiar a campanha de um candidato de seu partido na capital do Estado de São Paulo, isso é crível. Isso aí é possível, sim, lamentavelmente, dado que essa relação promíscua da política com empresas e particularmente com empresas públicas se tornou, infelizmente, uma prática comum em nosso país.”

Em relação ao Senador Aécio Neves, o cientista político Antônio Marcelo Jackson diz que “não é a primeira vez que ele é citado. Não é possível que várias fontes falem o nome de uma mesma pessoa e isso não seja algo grave. Acho que pelo menos vale uma investigação”.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала