OTAN: recorde no Guinness de manobras mais inúteis e caras da história

© AFP 2022 / Janek SkarzynskiTropas da OTAN participam dos exercícios militares de 7 semanas em Drawsko Pomorskie, Polônia, 28 de abril de 2015
Tropas da OTAN participam dos exercícios militares de 7 semanas em Drawsko Pomorskie, Polônia, 28 de abril de 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os recentes exercícios militares realizados pela OTAN na Polônia, perto da fronteira com a Rússia, são analisadas em um artigo do Huffington Post. O autor, Riley Waggaman, ironiza a inutilidade e o custo das manobras.

Soldados da OTAN na  cerimônia de abertura dos exercícios militares na Lituânia em 8 de junho, 2015 - Sputnik Brasil
Pentágono: agressão russa será um dos principais temas da reunião de ministros da OTAN
“Parece que a OTAN pretende ganhar outro recorde do [livro] Guinness (não a de ‘maior ocupação do Afeganistão na história contemporânea’; a organização já tem todas honras e privilégios que vêm com essa distinção). Não, a OTAN entrará para a história de maneia diferente, mas de maneira inútil quase igual”, escreve Waggaman ao se referir aos exercícios na Polônia.

O autor lembra que as manobras, que duraram dez dias, teve a participação de 32 mil militares e milhares de veículos de serviço de 24 países. O evento foi bem recebido pelos aliados da OTAN na região, mas especialistas em Defesa advertiram que qualquer incidente poderia causar uma reação ofensiva por parte de Moscou.

“A OTAN realiza enormes exercícios de ‘defesa’ militar em suas fronteiras com a Rússia. Inclusive, o menor erro poderia provocar uma ‘reação ofensiva’ por parte dos ‘russos malvados’. De todo modo, por que a Rússia colocou seu país tão perto de nossas bases militares e de nossos exercícios militares ‘pacíficos’?”, ironizou Waggaman.

O artigo ainda aponta que apesar de o Pacto de Varsóvia não existir mais, a OTAN segue de pé e crescendo. Nos últimos 25 anos, foi a OTAN quem, junto a seus aliados, instalou bases militares e invadiu um punhado de países em todo mundo. 

“Poderíamos, por favor, parar essa arriscada operação de bilhões de dólares e construir alguns hospitais ou algo parecido?”, encerra o autor.


Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала