Pentágono convida hackers 'domesticados' para testar sua segurança

© AFP 2022 / PHILIPPE LOPEZMáscara de Guy Fawkes, símbolo do grupo de hackers Anonymous
Máscara de Guy Fawkes, símbolo do grupo de hackers Anonymous - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Departamento de Defesa dos EUA está convidando "hackers controlados" para testar sua segurança cibernética em um novo programa piloto chamado "Hack the Pentagon".

"Este projeto inovador é uma demonstração do compromisso contínuo do [secretário de Defesa norte-americano Ashton] Carter em levar o Pentágono a identificar novas maneiras de melhorar as medidas de segurança do departamento à medida que evoluem os nossos interesses no ciberespaço", disse o Pentágono em um comunicado nesta quarta-feira (2).

Segundo o anúncio, trata-se do primeiro "programa de recompensa por bugs cibernéticos na história do governo federal", modelado segundo competições similares já realizadas pelas maiores empresas do país.

Hillary Clinton, ex-secretária de Estado dos EUA e pré-candidata à presidência do país - Sputnik Brasil
Conta pessoal de e-mail da Hillary Clinton já foi atacada por hackers
No entanto, os hackers convidados a invadir o sistema do Pentágono terão que abrir mão do anonimato que costuma caracterizar a atividade e que, no mais das vezes, garante seu alcance às margens da lei. Isto porque eles serão obrigados a se registrar e a se submeter a uma verificação de antecedentes para participar do programa, que começa em abril deste ano.

Além disso, à parte a contradição em termos implicada na ideia de "hacker controlado", todos os autorizados a participar do programa deverão ser cidadãos norte-americanos, de acordo com a Reuters. Depois da série de escândalos envolvendo as agências de inteligência e segurança dos EUA que foram levados a público em grande parte graças ao australiano Julian Assange — que foi programador e hacker antes de se tornar editor-chefe do Wikileaks —, pode-se até entender a vontade do Pentágono de manter estrangeiros longe de seu programa de hackers domesticados — ou "responsáveis", para usar as palavras de Carter.  

Julian Assange, fundador do WikiLeaks, fala via Internet durante a sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, 23 de março de 2015 - Sputnik Brasil
ONU apela ao Reino Unido e Suécia para libertar Assange
Uma vez aprovados, entretanto, os hackers americanos deverão tentar identificar as vulnerabilidades nos aplicativos, sites e redes do Pentágono, tornando-se elegíveis para ganhar prêmios em dinheiro ou outras formas de reconhecimento.

O "Hack the Pentagon" foi anunciado durante a visita de Carter e de outros altos funcionários do departamento ao Vale do Silício, onde os militares estão se reunindo com executivos da indústria de tecnologia para "reconstruir pontes", segundo afirmou o secretário de Defesa.

De fato, os dois lados têm se estranhado desde 2013, quando o ex-contratado da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA Edward Snowden revelou ao mundo, através de uma série de vazamentos e denúncias, a extensão dos esforços secretos de vigilância global do governo norte-americano.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала