Mais perto dos EUA, Cuba precisa de aliados seguros como Rússia e China, diz especialista

© REUTERS / Enrique de la OsaCubanos na partida de futebol entre a seleção de Cuba e o NY Cosmos
Cubanos na partida de futebol entre a seleção de Cuba e o NY Cosmos - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Cuba precisa do apoio de China e Rússia como aliados no caminho para aproximar-se dos Estados Unidos, declarou o vice-diretor do Instituto de Países da América Latina, Boris Martinov.

Bandeira da Cuba - Sputnik Brasil
Opinião: Cuba é o país latino-americano que mais zela pela soberania nacional
"Em seu caminho para aproximar-se aos Estados Unidos, Cuba precisa de aliados seguros como China e Rússia. Os chineses não tentam impor seus modelos políticos, não ensinam a ser democráticos e não exercem pressão política", disse Martinov.

O especialista destacou que a China tem interesses econômicos na ilha, entre os quais novos poços de petróleo e planos de extração. Ao referir-se ao "degelo" nas relações entre Cuba e os EUA, em dezembro do ano passado, Martinov assegurou que Havana se sente insegura diante de seu vizinho do norte.

"Mais de 50 anos de inimizade com os EUA e a história de invasões americanas nos séculos XIX e XX ensinaram os cubanos a olhar Washington com reserva."

Bandeira de Cuba - Sputnik Brasil
Moscou aplaude exclusão de Cuba da lista americana de países terroristas
Martinov acredita que as mudanças políticas na ilha não farão com que seu governo renuncie às ideias socialistas, assim como não aconteceu com a China, e ressalta que a direção política seguirá orientada pelos movimentos progressistas da América latina, e não pelos caminhos indicados pelos EUA.

"Venezuela, Nicarágua, Cuba, países 'curvados à esquerda' e outros mais tranquilos, como Brasil, todos eles votam por um mundo multipolar, por uma cooperação baseada na igualdade de direitos, pela primazia do direito na política internacional", destacou o especialista em política.

O comércio entre China e Cuba alcançou, nos últimos anos, um nível de desenvolvimento muito alto. Hoje em dia, Pequim é o segundo principal parceiro comercial de Havana. Em 2014, a China registrou um comércio bilateral com Cuba no valor de US$ 1,396 bilhão. Desse valor, US$ 1,063 bilhão corresponde a mercadorias exportadas pelo país asiático.

A China exporta para Cuba equipamentos eletrodomésticos, automóveis, caminhões, motores de carros e outras mercadorias técnicas, enquanto Cuba exporta principalmente produtos agrícolas, açúcar e níquel.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала