Governo do Mali e grupos rebeldes tuaregues assinam acordo de paz

© flickr.com / United Nations PhotoMopti, Mali
Mopti, Mali - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os principais grupos rebeldes tuaregues da região norte do Mali, representada pela Coordenação dos Movimentos de Azawad (CMA), assinou neste sábado (20) um acordo de paz considerado histórico com o governo do país africano.

Soldados das forças de paz da ONU no Mali - Sputnik Brasil
Al-Qaeda assume autoria de ataques a tropas da ONU no Mali
O acordo foi assinado entre o líder da CMA, Sidi Brahim Sidati e o presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, e possui como objetivo retomar a paz,reconciliar as partes e trazer a estabilidade para o norte do Mali, que é uma região desértica ocupada por tuaregues que nos últimos anos passaram a conviver com militares islâmicos ligados à organização terrorista Al-Qaeda.

A crise no Mali tornou-se consequência da derrubada do regime de Muammar Kadhafi na Líbia em 2011. A partir dessa data, o território maliano foi inundado por refugiados das tribos tuaregues. Ocupando a parte norte do Mali, eles proclamaram o Estado independente de Azawad.

O compromisso firmado pretende estabelecer uma paz duradoura no norte do país, que no início de 2012 ficou sob controle de grupos jihadistas ligados à Al-Qaeda, depois que o exército foi derrotado pela rebelião tuaregue. Durante a revolta os tuaregues se aliaram inicialmente aos grupos jihadistas, contudo, posteriormente foram dominados pelos fanáticos que foram afastando estas populações dos territórios outrora por eles controlados.

Soldados do exército francês durante exercício militar - Sputnik Brasil
Exército francês executa líderes jihadistas no Mali
Os jihadistas foram parcialmente expulsos da zona por uma ofensiva militar internacional lançada em janeiro de 2013. A operação ainda segue nas regiões mais ao norte que permanecem fora do controle do poder central do país.

O texto que serviu de base para o acordo firmado havia sido assinado no dia 15 de maio na capital do Mali, Bamako. Os rebeldes pediram, no entanto, para adiar a assinatura do documento, afirmando que ele não satisfazia plenamente suas reivindicações políticas sobre o autoproclamado Estado de Azawad.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала