Opinião: China abre caminho para a dominação global baseando-se no Plano Marshall dos EUA

© Sputnik / Iliy PitalevBandeira da China
Bandeira da China - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Enquanto os EUA e a Europa concentram seus esforços contra a propagação do Estado Islâmico, a China está habilmente conduzindo seu caminho para a dominação da economia global. Padrão muito semelhante ao do Plano Marshall que os EUA aplicaram na Europa no pós-Segunda Guerra para se contrapor a influência Soviética, de acordo com economista francesa.

Dilma Rousseff e primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk, durante a cúpula UE-CELAC - Sputnik Brasil
Opinião: Europa precisa de grandes esforços para rivalizar com China na América Latina
A China está pavimentando seu caminho para a posição dominante na economia global em grande parte com base no Plano Marshall que os EUA usaram na Europa nos anos pós-Segunda Guerra Mundial, segundo disse a economista francesa e professora de economia na Pierre Mendes, Universidade Francesa em Grenoble, Mylène Gaulard, em entrevista a agência de mídia Atlantico news.

Gaulard explicou que, similar aos EUA na Europa, a China agora está conquistando o mercado externo e ganhando controle sobre os países em desenvolvimento do sul da Ásia.

"Desde que o presidente Xi Jinping chegou ao poder em 2012, o país realmente coloca mais ênfase sobre o chamado 'poder suave'. Além dos laços econômicos e financeiros, a China ajuda países [em desenvolvimento] a financiar projetos de infra-estrutura e aumenta a ajuda paga para o desenvolvimento dos países aonde tem fortes interesses ", disse.

"Como o Plano Marshall aplicado pelos Estados Unidos na Europa para combater a influência soviética após a Segunda Guerra Mundial, o novo banco de investimento, criado pela China para financiar projetos de infra-estrutura na Ásia, vai defender os seus interesses nesses países ", explicou.

Força naval da China - Sputnik Brasil
China está perto de testar o maior navio de guerra da Ásia
A economista acrescentou que isso também irá facilitar os investimentos das empresas chinesas, as exportações de produtos chineses e irá garantir o fornecimento de suas matérias primas.

O constante aumento nos gastos militares chineses, segundo Gaulard, é um sinal do "poder duro" usado para ganhar um papel crescente na região.

"A China está hoje em dia mais e mais presente na África, Ásia Central e América Latina. As empresas chinesas, privadas ou públicas, estão sendo alocadas para países ricos em matérias-primas e acordos de livre comércio estão sendo assinados com esses países", acrescentou.

O Plano Marshall (oficialmente Programa Europeu de Recuperação, ERP na sigla em inglês) foi uma iniciativa americana para ajudar a Europa nos anos do pós-guerra.

Os objetivos dos Estados Unidos eram reconstruir as regiões devastadas pela guerra, remover as barreiras comerciais, modernizar a indústria, fazer dezessete países da Europa prósperos novamente e, assim, evitar a propagação do comunismo.

Usina nuclear - Sputnik Brasil
China em breve será um dos principais líderes mundiais na energia nuclear
Os Estados Unidos temiam que a pobreza, o desemprego, e desorganização do período pós-Segunda Guerra Mundial estivessem reforçando o apelo dos partidos comunistas aos eleitores na Europa Ocidental.

O plano esteve em funcionamento durante quatro anos, com início em abril de 1948.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала