Chanceler tcheco considera provável a prorrogação de sanções contra a Rússia

© AP Photo / Michael SohnLubomir Zaoralek, Ministro das Relações Exteriores da República Tcheca.
Lubomir Zaoralek, Ministro das Relações Exteriores da República Tcheca. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
É muito provável que as sanções da União Europeia contra a Rússia sejam estendidas até o final deste ano, disse o ministro das Relações Exteriores da República Tcheca, Lubomir Zaoralek.

"Dadas as atuais discussões, acredito que a opção mais provável é que as sanções anti-russas continuem em vigor até ao final de 2015", disse o diplomata à agência de notícias do país Česká televize.

Bandeiras da Rússia e União Europeia - Sputnik Brasil
Mídia dos EUA divulga informações sobre novas sanções antirrussas
Segundo o ministro, os membros da União Europeia, que abordaram esta questão no final de junho, tem três opções.

Primeiro, se as partes em conflito no leste da Ucrânia cumprirem os acordos de Minsk será possível reduzir gradualmente as sanções.

Em segundo lugar, se a União Europeia considerar que a situação na Ucrânia é ambivalente, continuará a sua observação tão somente.

A terceira opção, que o chefe da diplomacia tcheca não considera provável, é a extensão de sanções no caso da retomada das hostilidades.

As relações entre a Rússia e o Ocidente se deterioraram por conta da situação na Ucrânia. Em julho do ano passado, a União Europeia e os Estados Unidos aplicaram sanções pontuais contra certos indivíduos e empresas da Rússia. Em seguida, foram implementadas medidas restritivas em relação a setores inteiros da economia russa. Em resposta, a Rússia restringiu a importação de produtos alimentares de países que impuseram as sanções.

Bandeiras da Rússia e da União Europeia - Sputnik Brasil
Mídia: novas sanções anti-Rússia podem abranger setores de finanças, energia e defesa
No início desta semana, os líderes do G7 decidiram vincular o levantamento das sanções contra a Rússia ao cumprimento dos Acordos de Minsk, podendo endurecer suas restrições em caso contrário. Na mesma reunião de cúpula do grupo, Obama acusou o presidente russo Vladimir Putin de ser o responsável pelas consequências econômicas das sanções impostas contra seu país.

Moscou tem afirmado repetidamente que não tem realizado interferências no conflito interno ucraniano e possui interesse na resolução pacífica da situação.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала