Coronel norte-americano: EUA não conseguem mais viver sem guerra

CC BY 2.0 / Exército dos EUA / Fuzileiros navais dos EUA chegaram à Ucrânia para participar do treinamento das forças armadas
Fuzileiros navais dos EUA chegaram à Ucrânia para participar do treinamento das forças armadas - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os norte-americanos estão viciados em guerra e o medo da paz é constantemente alimentado por um "patriotismo paranoico", escreve o coronel do exército e professor de história da Academia Militar dos EUA Gregory A. Daddis, em artigo publicado pela revista norte-americana The Nacional Interest.

Desde o fim da Segunda Guerra Mundial os EUA vivem um ciclo vicioso de guerras, alimentado por um constante medo de uma ameaça externa. Durate a Guerra Fria as autoridades norte-americanas retratavam de forma "apocalíptica" os perigos representados pela União Soviética e pelo comunismo. No entanto, desde a dissolução do bloco soviético nada mudou. A nova estratégia de segurança dos EUA em 2015 continua falando numa suposta "constate ameaça de ataques", ignorando os atuais poderio e influência dos EUA, destaca Daddis.

Embaixada italiana em Sanaa, no Iêmen - Sputnik Brasil
EUA mataram mais de 2 milhões de pessoas no Iraque, no Afeganistão e no Paquistão
Segundo ele, uma série de intervenções militares em outros países, em particular no Iraque e no Afeganistão, não apenas sustentou, mas reforçou as posições dos partidários das "constantes" operações militares. O coronel destaca que a "tentação da guerra" está ofuscando o pensamento racional. Na sua opinião, aqueles que justificam as intervenções norte-americanas no exterior com "liberdade" e "democracia" não passam de hipócritas.

"Esta aceitação voluntária do conceito de "guerra perpétua" oferece um mercado propício (e lucrativo) para visionários em segurança nacional, que vislumbram o futuro e oferecem conselhos sobre temas relacionados à defesa, e que vão desde a guerra cibernética até o uso de drones" – escreve Gregory A. Daddis.

Soyuz TMA-16M - Sputnik Brasil
Especialistas: EUA se preparam para operações militares no espaço
Além disso, os EUA caíram na armadilha da necessidade de sustentar o papel criado por eles mesmos. Segundo o artigo, ânimos semelhantes podem ser caracterizados como "patriotismo paranoico", cunhado pela filosofa Kelly Oliver. Tentativas dos EUA de manter a sua supremacia a qualquer custo criaram na população a sensação de desconfiança frente a países capazes de minar o papel dos EUA na arena internacional. Daddis destaca que é esse medo que justamente alimenta o "vício em guerra".

"Na verdade, nós não queremos a paz. Nós estamos simplesmente encantados pela guerra. Nós chegamos ao ponto em que tememos não conseguir mais viver sem ela. A guerra se tornou uma forma de lutarmos contra os nossos medos, enquanto que os medos viraram justificativa para darmos continuidade às guerras" – escreve Gregory A. Daddis.

O autor do artigo reconhece a necessidade de abandonar esse estado de "paranoia" constante, que não deve ser confundido com a prontidão de repelir ameaças.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала