- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Dilma quer evitar erros de Washington na política latino-americana?

© AFP 2022 / EVARISTO SAPresidente da Venezuela Nicolás Maduro com a presidente do Brasil Dilma Rousseff
Presidente da Venezuela Nicolás Maduro com a presidente do Brasil Dilma Rousseff - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Na entrevista concedida à emissora alemã Deutsche Welle a presidente do Brasil Dilma Rousseff explicou a sua visão da política que o Brasil deve realizar na América Latina e, segundo os sinais dados pela presidente, essa política deve evitar erros cometidos pelos EUA na região.

Ex-presidentes da Colômbia, Andrés Pastrana (esquerda) e do Chile, Sebastian Piñera (direita), durante um encontro organizado pelo Clube de Madrid em Porto Príncipe em 26 de maio de 2015. - Sputnik Brasil
Clube de ex-presidentes pressiona Venezuela
A entrevista aconteceu na véspera da cúpula entre a União Europeia e a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) que começa hoje (10) em Bruxelas. 

Respondendo à pergunta sobre a possibilidade de o Brasil ter uma postura mais firme e talvez agir de forma mais contundente em relação às turbulências políticas na Venezuela, que resultaram em múltiplos confrontos entre as autoridades venezuelanas e a oposição, Dilma negou essa possibilidade porque o Brasil não interfere nos assuntos internos dos vizinhos e não quer agir com “um porrete na mão”:  

“Nós não somos golpistas no Brasil, nós não somos a favor de interferências e intervenções dentro de países irmãos. Nós não fazemos isso. Nós somos um país eminentemente pacífico”, frisou. 

Dilma assegurou que o Brasil nunca virará as costas para a Venezuela, apesar de tal desejo por parte de alguns países. 

“Muita gente gostaria que nós tivéssemos uma posição de distanciamento em relação à Venezuela, muitos defenderam isso também para a Bolívia logo que o presidente Evo [Morales] assumiu”.

A presidente brasileira também explicou a sua visão da estratégia que o Brasil deve seguir nos assuntos latino-americanos.  

“Nós não seremos jamais um poder regional com o porrete na mão. Para ser poder regional não precisa ser um interventor, você tem que ser capaz de entender as sociedades e lutar pelas transformações de uma forma que não seja a intervenção”.

A frase declarada por Dilma sobre a ausência de vontade de agir com o porrete nas mãos pode-se referir à famosa estratégia estadunidense do Big Stick (Grande Porrete, em português). Este termo foi usado pelo presidente dos EUA Theodore Roosevelt e consiste em uma interpretação mais ampla da doutrina Monroe. As intenções desta política eram proteger os interesses dos EUA na América Latina, inclusive com uso de força e intervenção nos assuntos dos países da região. Desta forma, Dilma supostamente quer contrapor a política do Brasil à dos EUA e evitar os erros cometidos por Washington, que, segundo alguns especialistas, acabaram por resultar em perda de influência dos EUA nos países da América Latina e no crescimento da presença dos países dos BRICS na região.

O historiador brasileiro João Cláudio Platnik Pitillo, falando com exclusividade à Sputnik Brasil, comentou a entrevista da presidente, e classificou o pronunciamento de Dilma Rousseff como “muito feliz e oportuno, porque as pressões vindas dos Estados Unidos são muito grandes, e vêm há muito tempo, principalmente direcionadas à Venezuela”.

O Professor Pitillo acrescentou: “Não é sempre que o Brasil se manifesta de forma tão clara com relação à sua política externa.”

Sobre a frase de Dilma à Deutsche Welle – “Nós não somos golpistas” –, o historiador comentou: “Este é outro recado que ela envia para o Governo norte-americano. Os Estados Unidos transformaram a Colômbia num seu protetorado. Há sete bases militares americanas na Colômbia, com o pretexto de combater o tráfico de drogas – que nós sabemos que não combateram, pois essas bases estão lá para combater a insurgência. Isso é um problema interno da Colômbia, que diz respeito à autodeterminação dos povos.”

O Professor João Cláudio Pitillo relembra: “Há 60 anos se realizou a Conferência de Bandung, na Indonésia, que reuniu os países não alinhados da época, e a palavra de ordem de então era ‘autodeterminação’. Hoje, esta palavra continua em voga para a América Latina, porque os ambientes de golpe de Estado patrocinados pelos Estados Unidos continuam no século XXI.”

“A Presidenta Dilma Rousseff marcou bem a sua posição, ao dizer que o Brasil não é golpista”, concluiu Pitillo.  

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала