Ex-conselheiro do Pentágono: colocar mísseis dos EUA na Europa é ridículo

© flickr.com / Michael BairdPentágono
Pentágono - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
De ponto de vista tecnológico, a implantação de mísseis norte-americanos baseados em terra na Europa é ridículo, disse em entrevista à Sputnik o ex-conselheiro do comandante do Departamento da Marinha do Pentágono, Theodore Postol.

"Não há absolutamente nenhuma razão militar para a instalação de mísseis na Europa. É ridículo do ponto de vista militar", disse o especialista.

Na opinião dele, a decisão de implantar tais armas poderá aumentar as possibilidades de um acidente inesperado ou um mal-entendido, o que pode levar a uma guerra nuclear. Os EUA dispõem dos mísseis balísticos Trident II, lançados a partir de submarinos nucleares. Esses mísseis podem atingir alvos até mesmo com nível elevado de proteção.

Sistema de mísseis Patriot - Sputnik Brasil
Kremlin presta muita atenção aos planos dos EUA de implantar mísseis nucleares na Europa
"As possibilidades oferecidas pelos mísseis norte-americanos Trident II são, sem dúvida, suficientes para todos os objetivos estratégicos", explicou Postol. 

A agência americana Associated Press informou na sexta-feira que a administração dos EUA está considerando a possibilidade de instalação de mísseis nucleares na Europa em resposta às alegadas violações do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio (INF) por parte da Rússia. O Kremlin está acompanhando de perto esta situação.

Nos últimos tempos a Rússia e os Estados Unidos se têm acusado  mutuamente de desenvolvimento de armas proibidas pelo INF. Em março o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, disse que Moscou tem repetidamente proposto a Washington realizar consultas sobre as supostas violações. Mas ainda não obteve resposta.

O presidente da Comissão de Defesa e Segurança do Conselho da Federação, Viktor Ozerov, afirmou que a Rússia não planeja sair do Tratado e está cumprindo integralmente as suas obrigações. Mas, se os EUA colocarem mísseis na Europa, a saída do INF poderá ser uma resposta possível.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала