Japão busca diálogo com Rússia sem levantar sanções

© AFP 2022 / TOSHIFUMI KITAMURA O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe
O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, começa na sexta-feira uma visita oficial para Kiev. Como relata a mídia japonesa, ele se reunirá com o presidente Pyotr Poroshenko e outros funcionários para discutir a prestação de assistência econômica e humanitária à Ucrânia.

Em relação com a visita de Abe, o Partido Democrático, de oposição no Japão, enviou para o Conselho de ministros um inquérito sobre o levantamento das sanções contra a Rússia. A retirada das sanções “é prematura, porque os acordos de paz não são totalmente implementados”, informa a agência Kyodo, citando a resposta do Gabinete.

Ativistas com máscaras dos líderes do G7 durante protesto contra a cúpula do grupo na Alemanha - Sputnik Brasil
G7: reunião sem Rússia será marcada por extravagâncias e irregularidades
Mais cedo, o assistente do vice-presidente dos EUA para Segurança Nacional, Ben Rhodes, disse durante uma teleconferência para jornalistas que as sanções contra a Rússia serão prolongadas na cúpula do G7. Esta resposta foi amplamente citada na mídia japonesa.

Ao mesmo tempo, o governo do Japão acredita que "a visita [à Ucrânia] não deve ter um impacto sobre as relações com a Rússia".

As opiniões dos especialistas japoneses sobre este assunto discreparam. As relações russo-nipônicas mais de um ano estão em estado de incerteza: o Japão cancelou a visita do ministro das Relações Exteriores, Fumio Kishida, e Rússia – uma nova rodada de negociações sobre um tratado de paz e a visita do presidente russo foi adiada por tempo indeterminado. Entretanto, as relações económicas entre os dois países estão se movendo sem maiores danos. Além disso, o volume de negócios do último ano manteve-se no nível recorde de 2013 – mais de 34 bilhões de dólares.

Na opinião do cientista político, autor de vários livros sobre Rússia, Itsuro Nakamura, a incerteza prolongada nas relações do Japão e a Rússia pode acabar com criação de dois polos “EUA-Japão-Ucrânia” e “Rússia-China”.

“Depois da visita aos Estados Unidos e encontro com Obama, Abe abruptamente mudou seu curso de conduta. Tenho medo de que a visita à Ucrânia possa estragar as relações com a Rússia”, disse o especialista à agência RIA Novosti.

Também há a opinião de que o objetivo da visita de Abe possa ser uma tentativa de diminuir a ameaça da China.

Barack Obama, Matteo Renzi, Stephen Harper; David Cameron; Jose Manuel Barroso; Francois Hollande; Shinzo Abe em reunião do G7 - Sputnik Brasil
Ex-chanceler alemão: não convidar Putin à cúpula do G7 é um erro
“O Japão não pode não considerar o fornecimento de armas de Ucrânia para a China uma ameaça para sua segurança. Acho que o Japão tem um plano secreto para acabar com a exportação de armas por aumento da ajuda para Kiev”, explicou o vice-diretor da Associação Japonesa de comércio com a Rússia e os Novos Estados Independentes (ROTOBO), Mititaka Hattori.

No entanto, conforme relatados da mídia local, durante sua visita o primeiro-ministro japonês vai tentar persuadir o presidente Poroshenko para o diálogo com a Rússia.

“O Japão aprecia as relações com a Rússia e com a Ucrânia igualmente, e por isso ele tenciona reforçar o apoio para a realização do verdadeiro acordo sobre a Ucrânia. Para alcançar o progresso na questão da autonomia, o Japão pretende fortalecer a prestação de assistência econômica e tecnológica à Ucrânia. Falando sobre as negociações de Kiev com Donetsk e Lugansk, acho que será impossível chegar a um acordo sem a participação da Rússia neste processo. Portanto, o Japão considera consultas com a Rússia importantes. E ele planeja discutir esse assunto na cúpula de G7, em que a Rússia não vai participar”, disse à Sputnik o membro da Câmara Alta do Parlamento japonês, Kazuyuki Hamada.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала